Google

19 de September de 2014

Home :: Arquivo :: Classificados :: Links :: Profissionais :: Contato

Arquivo


Doenças Contagiosas

Doenças Contagiosas

As campanhas de vacinação existem porque o serviço de imunização em postos de saúde não é feito rotineiramente. Elas são programadas, na realidade, para as pessoas menos esclarecidas.

A mãe que já cumpre as suas obrigações com as vacinas do filho, e que sabe que a criança está bem vacinada, não tem necessidade de levá -la para repetir as doses nas campanhas de vacinação. É um desperdício, que pode levar até um tempo remoto.

Atualmente, o Programa Nacional de Imunizações abrange praticamente todas as doenças consideradas mais perigosas, como a poliomelite, o sarampo, a coqueluche, a difteria e o tétano. Abaixo são descritas as principais características de algumas doenças contagiosas :

Sarampo

Principais Características - Causada por vírus. É uma doença potencialmente grave, sobretudo em países subdesenvolvidos, onde é grande a população de crianças desnutridas. Ocorre, predominantemente, durante o inverno e a primavera.

Incubação De 8 a 14 dias.

Principias sintomas - Mal -estar geral, febre, coriza, hiperemia conjuntival e tosse, que vai se acentuando com o passar dos dias.

Contágio - Até 7 dias após o aparecimento dos sintomas.

Transmissão - Por gotículas nasofaríngeas eliminadas por tosse ou espirro, sendo transmitidas pelo ar, ou por intermédio de uma terceira pessoa ( mecanismo de transmissão mais raro ).

Tratamento - O tratamento do sarampo não-complicado é sintomático. Repouso, dieta leve ou líquida durante o período febril, e proteção da pele. Na conjuntivite, limpeza ocular com água morna. Para tosse, umidificar o ambiente e tranquilizar o enfermo. Para a febre, antitérmicos.

Isolamento - Desde o aparecimento dos sintomas até o quinto dia após a manifestação cutânea ( período de transmissão da doença).

Complicações na criança- Dermatológicas e gastrintestinais.

Complicações no adulto - Dermatológicas, cardíacas, gastrintestinais, oculares e hepáticas.

Seqüelas na gestação - Maior índice de abortamento e prematuridade.

Prevenção - Vacina.

Imunidade - Vacina prévia.

Poliomelite / Paralisia infantil

Principais características - Causada por vírus que são mais estáveis do que a maioria dos vírus, sendo capazes de permanecer viáveis durante períodos prolongados , na água, no leite e em outros alimentos.

Antes da disponibilidade das vacinas, a poliomelite era uma doença cosmopolita, observada em todos os continentes - sendo comuns as epidemias nas zonas temperadas - com maior incidência no verão.

Incubação - Varia de 5 a 35 dias, durando comumente uma a duas semanas.

Principais sintomas -

Forma abortiva: Febre, anorexia, cefáleia, coriza, dor para engolir alimentos, naúseas, vômitos, diarréia e dor abdominal. Não deixa sequelas.

Forma meningítica : Aos sintomas presentes nas forma abortiva segue - se o aparecimento da síndrome meníngea ( ou seja, sintomas das doenças que acometem a meningite - membrana que recobre o cerébro : febre, dor de cabeça, vômitos e rigidez da nuca), sem a presença de paralisias; nesses casos não se observam distúrbios da consciência e a evolução é benigna. Alguns casos podem evoluir para epilepsia.

Forma paralítica: A fase paralítica da doença dura de três a cinco dias e é representada por síndrome infecciosa semelhante à observada na forma abortiva. A febre tem duração e intensidade variavel. Podem ocorrer convulsões, embora não sejam comuns em crianças com baixa idade. Provoca paralisia principalmente nos membros inferiores, provocando atrofia dos músculos. Isso acontece rapidamente na fase aguda da doença e se instala definitivamente.

Transmissão : À ou alimentos contaminados penetram no organismo através da mucosa orofaríngea ou intestinal.

Tratamento : Na fase aguda, o tratamento da poliomelite é fundamentalmente sintomático.

Contágio : 5 dias em média, estendendo - se por, no máximo, 10 dias.

Cuidados importantes : No período de vigilância e repouso absoluto são prioritários os seguintes cuidados com o paciente : sedação, manuntenção dos membros comprometidos em posição funcional, recorrendo a coxins protetores, com o objetivo de evitar agravamento das deformidades, dieta hiperprotéica e hipercalórica, correção de eventuais desequilibrios hidroeletrolíticos.

Prevenção : Vacina

Imunidade : Vacina ou infecção prévia.

Coqueluche

Principais características : Causada por bactéria, provoca crises se tosse. Pode ter evolução prolongada e complicações respiratórias. Acomete mais frequentemente crianças com menos de 10 anos de idade, nos meses frios.

Incubação : De 7 a 14 dias, podendo às vezes estender - se por até 20 dias.

Principais sintomas : Febre, coriza, espirros, lacrimejamento, tosse seca ou irritativa e vômito.

Trasmissão : Contato direto.

Tratamento : Os doentes devem ser mantidos em repouso relativo e em ambientearejado, evitando as mudanças súbitas de temperatura, a movimentação excessiva e as emoções. As refeições devem ser pouco volumosas e oferecidas com intervalos mais curtos.

Prevenção : Vacina.

Imunidade : vacina ou infecção prévia.

Difteria

Principais características e sintomas:

Formas nasais : Semelhante ao resfriado comum, com coriza e febre. A forma faringoamigdaliana é a mais freqüente, com febre, mal - estar geral e dor de garganta.

Forma laríngea : Configura um quadro de laringe aguda, com tosse seca, rouquidão, estridor laríngeo (barulho provocado pela laringe durante a passagem do ar ) e dificuldade respiratória.

Acometimento em outras áreas : A pele é mais comum. Vagina, ouvido e conjuntiva ocular são raras vezes acometidos pelo bacilo diftérico.

Incubação : Entre duas e quatro semanas do início da evolução.

Trasmissão : Por contato íntimo, bem como por gotículas e secreções nasofaríngeas.

Tratamento : Objetiva fundamentalmente a erradicação do agente infeccioso. Baseia -se no emprego do soro antidiftérico e de antibióticos. As medidas terapêuticas gerais referem -se a alimentação, hidratação e higiene.

Isolamento : Com o uso de tratamento específico, o isolamento do paciente pode ser suspenso no fim de 2 ou 3 dias.

Complicações na criança : Acomete predominantemente crianças que vivem em condições precárias de higiene, e se define clinicamente pele presença de pseudomembrana localizada, de início, quase sempre na faringe.

Complicações nos adultos : Podem -se observar evidências do acometimento de múltiplos òrgãos e tecidos na difteria. As complicações mais comuns e de maior significado clínico são referentes ao coração, ao sistema nervoso, aos rins o às adrenais. A obstrução das vias respiratórias pelas pseudomembranas e pelas secreções acumuladas constitui causa frequente de morte.

Prevenção : Vacina.

Imunidade : Vacina ou infecção prévia.

Varicela ou catapora

Principais características : Conhecida popularmente como catapora, caracteriza -se por ser doença infecciosa causada pelo vírus varicela - zoster. Embora possa ser observada em adultos, a varicela atinge sobre tudo as crianças com menos de oito anos de idade.

Incubação : varia de 10 a 21 dias.

Principais sintomas : febre, fraqueza, anorexia ( falta de apetite), mal -estar geral, cefaléia, dor nos músculos e lesões vesiculares no tronco, membros e cabeça.

Período contagioso : o contágio ocorre enquanto houver lesões vesiculares.

Trasmissão : Por contato direto , por meio de gotículas nasofaríngeas ou de secreções do trato respirátorios superior dos indivíduos infectados, ou por intermédio de partìculas contaminadas provenientes das lesões cutanêas.

A trasmissão transplacentária verifica - se raramente, dando origem à varicela congênita, quando a infecção materna ocorre no início da gravidez, ou à varicela neonatal, se a mãe se a mãe for acometida poucos dias antes do parto.

Tratamento : Na maioria dos casos o único tratamento requerido é o sintomático, indicando -se antitérmicos e antipruriginosos (uso tópico de talco mentolado e/ou administração oral de anti -hitamìnico).

Isolamento : Os pacientes hospitazados devem ser mantidos em isolamento até 6 dias após o aparecimento de exantema - erupções avremelhadas na pele. Os imunocomprometidos com varicela ficarão isolados durante toda a evolução da doença.

Complicações no adulto : As complicações da varicela são raras e benignas em indivíduos normais, sendo, porém, muitas vezes graves e eventualmente fatais em pessoas com déficits imunológicos, sobretudo em doentes com leucemia ou linfoma e/ou que estejam recebendo corticosteróides ou outros medicamentos imunodepressores.

O acometimento poderá ser localizado, múltiplo ou generalizado. Existem complicações cutanêas, pulmonares e neurológicas, além de hemorragias. Hepatite, cardite, glomerulonefrite, orquite ( inflamação dos testículos ) e artrite constituem complicações raras da varicela.

Sequelas na gestação : Poucos casos de varicela congênita, em que houve malformações congênitas associadas à infecção materna nos primeiros meses de gravidez, foram descritos na literatura.

As alterações observadas nos recém - nascidos foram : bixa peso, extensas cicatrizes cutanêas, hiprofilia dos membros, distúrbios oculares ( cariorretinite, microftalmia e atrofia óptica ), retardo mental e suscetibilidade às infecções.

A varicela neonatal ocorre quando a infecção materna se dá próximo ao momento do parto, podendo ser benigna ou grave, esta com complicações e alto índice de mortalidade. A doença é benigna quando se verifica a infecção materna cinco ou mais dias antes do parto.

Prevenção : Vacina.

Imunidade : Vacina ou infecção prévia.

Caxumba

Principais características : Causada por vírus, ocorre predominantemente na infância. A maior concentração de casos de caxumba ocorre durante o inverno e no início da primavera, principalmente nos grandes centros urbanos.

Incubação : De 14 a 25 dias.

Principais sintomas : Febre, calafrios, anorexia, mal - estar geral, cefaléia, dor de garganta e dor nos músculos, que podem preceder de 2 a 3 dias a tumefação da parótida ( inchaço nas glândulas salivares localizadas adiante e abaixo de cada orelha). Dor referida no ouvido, localizada próximo ao lóbulo da orelha, que se acentua com os movimentos da mastigação.

Contágio : de 2 dias antes do aparecimento dos primeiros sintomas e sinais at´pe e regressão da hipertrofia das glândulas salivares (fim do inchaço).

Trasmissão : Contato direto, por gotìculas expelidas do trato respiratório superior de indivíduos infectados.

Tratamento : A caxumba é quase sempre uma doença benigna e autolimitada, indicando -se no seu tratamento apenas repouso, medicamentos sintomáticos e cuidados gerais. Recomenda -se a prescrição de ácido acetilsalicílico para o controle de febre e da dor. Não existe nenhum medicamento antiviral, com atividade demonstrada contra o vírus da caxumba, que possa ser eventualmente indicado nos casos graves da doença.

Isolamento : 9 dias a partir do início dos sintomas.

Sequelas na gestação : A ocorrência de caxumba no início da gravidez tem sido associada com o aumento da incidência de morte fetal e abortamento.

Prevenção : Vacina.

Imunidade : Vacina ou infecção prévia.

Rubéola

Adquirida e congênita

Principais características : Causada por vírus. a errupção cutânea tem início normalmente na face e na região retroarticular ( atrás da orelha), progride rapidamente e generaliza -se no fim de aproximadamente 24 horas. À medida que o exantema ( erupcões avermelhadas na pele) alcança os membros, vai desaparecendo na face e no tronco. Ocorre endemicamente em todos os continentes, predominando na primavera e no inverno.

Incubação : Varia entre 14 e 21 dias ( 18 dias em média).

Principais sintomas :

Rubéola Adquirida : Nas crianças passa desapercebida quase sempre, sendo as erupções avermelhadas na pele o primeiro sinal evidente da doença, às vezes precedido por coriza discreta e dierréia.

Em adolescentes e adultos ocorre dor ocular, deglutição dolorosa, cefeléia, dor nos músculos, febre, calafrios, naúseas e/ou falta de apetite. Podem também ocorrer mal - estar geral, tosse, coriza e heperemia conjuntival. Um aumento do volume de glânglios linfáticos ( particularmente os existentes atrás da orelha e no pescoço ) è comumente observado 4 a 10 dias ( até 18 dias ) antes da instalação das erupções avermelhadas na pele.

Rubéola congênita : O recém - nascido pode, apesar de infectado, apresentar -se sem nenhuma lesão ou distúrbio aparentes. Muitas anomlias poderão passar desapercebidas nos primeiros meses ou anos de vida, particulamente as alterações auditivas e visuais.

Uma das manifestações mais comuns da síndrome da rubéola congênita, já evidente ao nascimento, é o retardo de crescimento, que persiste após o parto. Surdez neuro - sensorial é a manifestação mais frequente da doença, podendo ser parcial, completa, uni ou bilateral; muitas vezes é a única manifestação da rubéola congênita.

Contágio : Até 1 semana depois do aparecimento do exantema ( erupções avermelhadas na pele).

Trasmissão : Por secreções nasofaríngeaas ou , indiretamente, por partículas contaminadas veiculadas pelo ar, assim como pela urina de crianças com rubéola congênita.

Transmissão congênita : Ocorre principalmente no primeiro trimestre da gravidez. O vírus da rubéola é trasmitido ao feto durante a infecção materna. O risco de infecção fetal depende fundalmentalmente da idade gestacional em que a rubéola materna ocorre.

Tratamento :

Rubéola Adquirida - Sintomático: antitérmico/analgésico e antiinflamatório são os medicamentos cuja prescrição se torna necessária com maior frequência.

Rubéola congênita - Não há tratamento específico. Aterapêutica deve ser orientada para a correção ou atenuação das alterações existentes : intervenção cirúrgica para as malformações congênitas cardíacas, Aplicação de medidas apropriadas ( em clínicas especializadas) para as deficiências auditivas, e assim por diante. Não parece estar indicada a cortiterapia em presença de púrpura trombocitopênica.

Tempo de isolamento

Rubéola Adquirida : O doente hospitalizado deve ser mantido em isolamento durante 5 dias após o aparecimento do exantema. Em domicílio, o paciente será orientado para evitar contato com as pessoas suscetíveis, particulamente com gestantes.

Rubéola Congênita : A maioria dos recém - nascidos com rubéola congênita elimina prolongadamente o vírus a partir do momento do parto; se hospitalizados, devem ser mantidos em isolamento até que se prove, através de estudos virológicos, que deixaram de ser excretores. Os famíliares receberão orientação para que, em domicílio, seja evitado qualquer contato dessas crianças com gestantes.

Complicacões em adultos e crianças : Febre, artralgia ( dor nas articulações) e artrite ( inflamação nas articulações) são as complicações mais comuns da rubéola adquirida, obsrevadas em aproximadamente 10% das crianças. Tenossinovite ( inflamação na bainha do tendão), mialgia ( dor nos músculos) e neurite pereférica ( inflamação do nervo periférico) acompanham as vezes a artrite. Raramente ocorre meningoencefalite, púrpura trombocitopênica e outras alterações neurológicas.

Sequelas na gestação : Quando ocorre durante a gestação, a rubéola pode determinar malformações congênitas de extrema gravidade.

Prevenção : Vacina.

Imunidade : vacina ou infecção prévia.

Escarlatina

Principais caracteríticas : Causada por bactéria, provoca erupção cutanêa que se dissemina rapidamente, alcançando sua maior intensidade no fim do primeiro dia da doença; com tratamento adequado verifica -se o desaparecimento espontâneo do eritema entre o sexto eo nono dia da evolução.

Principais sintomas : As erupções na pele são generalizadas e constituídas por macromáculas róseas confluentes.

Observa - se palidez perioral nas dobras cutanêas no nível das articulções ( punhos, axilas, cotovelos e quadris ).

Verifica -se também, a presença de faixas mais escuras, cor de vinho, de que fazem parte petéquias ( pequenos vasos que sangram próximos a pele deixando pequenas marcas parecendo "sangue pisado") e esquimoses ( manchas maiores de cor roxa/vinho, que também indicam sangramento) que podem ser encontradas em outras áreas da pele.

Tratamento : Antibioticoterapia : penicilina.

Meningite Meningocócica tipos A, B, C

Principais características: Doença meningocócica de caráter infectagioso que acontece predominantemente em crianças acima de 6 meses de idade. Possui caráter endêmico e ocorre em todo o mundo.

Incubação : Varia de 2 a 10 dias.

Principais sintomas : Febre alta, vômitos e lesões cutâneas ( petéquias e equimoses - manchas na pele, de cor vinho/roxa, que indicam sangramento).

Transmissão : Contato direto, atravé de secreções nasofaríngeas de portadores de assintomáticos da bactéria e de doentes.

Tratamento : Administração de antibiótico específico por 10 dias.

Isolamento : Até 24 horas após o ínicio do tratamento específico.

Diagnóstico : Exame da amostra do líquido cefalorraquidiano e do material obtido nas lesões da pele.

Complicações : No período de vigência da doença pode ocorrer convulsão. Na convalescença podem ocorrer alterações na visão e audição, e no grau de intelectualidade.

Prevenção : Evitar aglomerações durante períodos epidêmicos, e vacinar - se.




Fonte :  SAúDESAúDE


:: Voltar para o topo

Busca no Arquivo


Para realizar uma busca em nosso arquivo, digite o assunto desejado no campo abaixo e clique no botão Buscar.