Google

25 de October de 2014

Home :: Arquivo :: Classificados :: Links :: Profissionais :: Contato

Arquivo


Corrimentos vaginais

Não existe uma pesquisa formal a respeito, mas os ginecologistas com experiência clínica calculam que mais da metade das suas consultas, atualmente, envolvem queixas sobre corrimento vaginal. E metade dos casos são autoprovocados, por produtos ou outros agentes irritantes com os quais as mulheres entram em contato, acrescenta Iara Linhares, do serviço de ginecologia do Hospital das Clínicas de São Paulo e pesquisadora da Universidade de Cornell, em Nova York, nos Estados Unidos. Especializada em vaginose, a ginecologista afirma que os preservativos costumam estar na origem de grande parte dos casos de corrimentos crônicos. O látex das camisinhas pode provocar uma reação alérgica na vagina e desequilibrar o seu pH. O uso de produtos de higiene íntima (duchas vaginais) são outro agente irritante importante. As duchas vaginais destroem a flora benéfica de lactobacilos de Doderlein, que protegem a vagina de bactérias invasivas.

O uso de cremes vaginais sem acompanhamento médico é o outro fator potencial de corrimentos recorrentes. A maioria dos produtos usa o propileno glicol como ``veículo`` para incorporar o medicamento e muitas mulheres desenvolvem alergia a esta substância química. Se elas estão em tratamento médico, o ginecologista pode observar a reação, observa Iara Linhares. Existe até um medidor químico para isso, o teste Caugranulin B, que o médico deve usar para confirmar a alergia e corrigir o tratamento. ``Mas é muito comum ver mulheres utilizando o mesmo creme que seu ginecologista receitou da última vez``, diz a médica. ``E aí se instala um círculo vicioso.``

FATORES DE RISCO
A atividade sexual com múltiplos parceiros, sem o uso de preservativo, é outro fator de risco de infecção vaginal, espeficamente de vaginose, a infecção que produz odor desagradável, que lembra o cheiro de peixe. O corrimento de odor fétido aparece em geral quando a mulher mantém relação sexual, lembra Linhares. Sabe-se que o PH demasiado alcalino do sêmen, equivalente a 8, eleva o PH vaginal por várias horas depois de uma relação sexual, dando chance à outras bactérias que compõem a flora da vagina de proliferar. Quando o sêmen é familiar, a flora vaginal acaba se adaptando `a tal alteração momentânea de PH. Mas uma mulher que não tem um parceiro fixo e não usa preservativo fica exposta a sêmen de tipos variados e corre mais risco de ter a vagina permanentemente alcalina. Pesquisadores investigam ainda as causas de infecções vaginais por problemas imunológicos como a deficiência auto-imune, que sujeita a mulher a tornar-se hospedeira de agentes infecciosos, acrescenta Iara Linhares. ``Estamos tentando saber, em última instância, como a genética interfere no sistema de defesa imunológico das mulheres``.

OUTRAS TERAPIAS
O exame da secreção em laboratório e a consulta propriamente, que levanta a história do paciente, são outros recursos que os médicos utilizam para definir o melhor tratamento de uma infecção instalada. Os homeopatas costumam usar, com freqüência, a amostra do próprio corrimento para fazer formulações terapêuticas, os chamados auto-isoterápicos, explica o ginecologista João Luiz Mattoso, que tem clínica em São Paulo e é consultor deste site. Nos casos de corrimentos crônicos recorrentes, associados `a baixa de resistência, o auto-isoterápico dá excelentes resultados. ``Na minha observação, o medicamento feito do conteúdo vaginal acaba aumentando a imunidade da paciente``, diz Mattoso.


Para melhorar a resistência física e manter as infecções vaginais `a distância o homeopata recomenda o que todas já sabemos mas nem sempre seguimos `a risca. Manter uma alimentação saudável e cultivar bons hábitos de vida como a prática de exercícios físicos e também de algum tipo de meditação ou relaxamento. Evitar alimentos apimentados ou muito condimentados, álcool e cigarro em excesso e produtos enlatados ou industrializados, que contém conservantes químicos. Além de observar a reação alérgica a determinas alimentos como o leite e seus derivados. ``Tenho visto com freqüência mulheres com corrimento provocado por alergia `a proteína do leite.`

FORMAS DE PREVENÇÃO
São seis os tipos de infecções vaginais que produzem corrimento. A vaginose, a candidíase e a tricomoníase, cujo produto infeccioso é o corrimento visível, que a mulher percebe, e a clamídia, o mioplasma e a neisseria, ou gonorréia, que produz corrimento junto ao cérvix, a entrada do útero. A redução do nível de lactobacilos na vagina e a conseqüente alteração do PH vaginal está na origem de todas elas. Entre os fatores que desequilibram o PH, além dos já mencionados, também são considerados o tratamento com antibióticos, que pode diminuir a quantidade de lactobacilos na flora ao mesmo tempo que mata as bactérias invasoras. Situações de estresse e de baixa da resistência do organismo, dependendo do impacto, causam o mesmo efeito e podem produzir infecções. ``Algumas mulheres nascem com uma infeliz predisposição a ter desequilíbrios da flora vaginal, assim como certas mulheres são mais predispostas `a acne``, lembra a norte-americana Natalie Angier, autora do livro Mulher, Uma Geografia Íntima (Editora Rocco).

A visita regular ao ginecologista, uma vez por ano no mínimo, é a melhor forma de prevenção do corrimento, sem sombra de dúvida. O médico tem condições de observar alterações no PH e, meios de diagnosticar o agente infeccioso, muitas vezes no próprio consultório, esclarece a ginecologista Iara Linhares. Não faltam ferramentas para isso, como o teste que mede o PH, uma fitinha impregnada com reagentes químicos, ou o teste de Whiff para vaginose, que mistura uma gota de amostra do corrimento em uma solução de hidróxido de potássio, um meio alcalino e detecta o cheio característico da infecção.

ANTES DE ENGRAVIDAR
Toda mulher que planeja engravidar deve fazer exames para rastreamento de infecções vaginais e tratá-las antes de qualquer coisa. Elas representam risco de aborto, de parto prematuro ou mesmo de desenvolvimento de uma infecção séria após o parto e, em estágio avançado, podem levar a esterilidade. A infecção vaginal também tem grande potencial de acarretar problemas de formação no feto.

A ginecologista Iara Linhares adverte para as conseqüências graves da vaginose, uma das infecções mais comuns e sua especialidade. A vaginose bacteriana se caracteriza pela proliferação na flora vaginal de bactérias anaeróbicas - que se desenvolvem na ausência do oxigênio. São verdadeiros micróbios que produzem compostos químicos pútridos como a trimetilamina - responsável pelo odor de peixe estragado. Em estado avançado, a infecção chega a destruir completamente a população de lactobacilos da vagina. E sem tratamento pode se transformar em outras doenças como endometrite (infecção do endométrio), doença inflamatória pélvica, salpingite (infecção das trompas), além de aumentar a predisposição para o desenvolvimento de câncer genital e dar origem à dor pélvica crônica, outras das principais queixas das mulheres que freqüentam os consultórios dos ginecologistas.

AS SECREÇÕES VAGINAIS
A vagina saudável é o lugar mais limpo do corpo, muito mais limpo do que a boca e infinitamente mais limpo do que o reto e o ânus, ao contrário do que a tradição popular imagina sobre o órgão, equivocadamente. É tão limpa e pura quanto um copinho de iogurte. Tanto que seu odor típico, levemente adocicado, lembra o cheiro de ácido láctico de que é feito esse produto.

A secreção vaginal normal é composta de substâncias semelhantes `as do soro sanguíneo. Feita de água, albumina (uma proteína abundante no corpo) e de células brancas de origem sanguínea além de mucina, ela é translúcida e não é suja, não é subproduto de excreção tóxica, como a urina e ou as fezes. As cores dos corrimentos que fogem desse padrão e indicam a presença de infecção variam entre o amarelado, esverdeado, marrom, roxo e até o preto tipo borra de café.

O termômetro da saúde vaginal é o índice de PH, ou potencial hidrigeniontico (ver PH Vaginal). O PH mede o grau de acidez ou alcalinidade de uma substância.A água, por exemplo, uma substância reconhecidamente neutra, tem índice 7 de PH. O PH da vagina saudável é mais ácido do que, por exemplo, o PH do café preto, que é 5. Ele varia de 3,8 a 4,5. Trata-se de um nível de acidez semelhante ao de um bom vinho tinto, observa a escritora Natalie Angier, ao comentar, entusiasmada: ``Esta é a vagina que canta, é a vagina com buquê, com pernas.``


Fonte :  ASSUNTO DE MULHER


:: Voltar para o topo

Busca no Arquivo


Para realizar uma busca em nosso arquivo, digite o assunto desejado no campo abaixo e clique no botão Buscar.